181

É no bar que o valor burguês cai. Que a vaidade se acovarda. Que o sistema apanha. Que a rotina respira.

Nenhum comentário: